sábado, 18 de agosto de 2012

A solidão do poeta (Domingos Alicata)


Sempre me comoveu a solidão dos poetas...
Caminham sobre versos, cativam amores
impossíveis, desafiam sonhos improváveis e,
sobretudo, amam...
Amam a vida, a morte, o poema sempre
inacabado, a desilusão. Principalmente as
desilusões de amor...
Em silêncio, redefinem a tristeza, secam
emotivas lágrimas, abraçam com desejo a
madrugada e, com lábios cultivados no
prazer, beijam a mulher amada até que,
por fim, morrem de tanto amar.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não tenho ambições nem desejos.
Ser poeta não é uma ambição minha,
É minha maneira de estar sozinho.
(Fernando Pessoa)