terça-feira, 19 de junho de 2012

Morrer (Larissa Rocha)


"Coveiros, sombrios, desgrenhados,
fazei-me depressa a cova,
quero enterrar minha dor
quero enterrar-me assim nova."(Florbela Espanca)


Tenho no corpo jovem
a beleza que Afrodite me deu
mas pra quê servem encantos
se minha alma já morreu?

juventude, força, vitalidade...
para mim de nada valerão!
já que neste peito necrosado
há muito não bate um coração.

deixarei a dor da existência
suavemente...num só suspiro
pois sem ti a vida é um vazio
e eu não vivo, só respiro.

oh! e minha pobre mãe!
por me ver padecer tão nova
que desgosto ela teria, tão cedo,
em mandar cavar minha cova!
(Larissa Rocha)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não tenho ambições nem desejos.
Ser poeta não é uma ambição minha,
É minha maneira de estar sozinho.
(Fernando Pessoa)