domingo, 29 de janeiro de 2012

Arte de amar

Na década de 1920 tivemos no Brasil uma revolução na arte com a Semana de arte moderna, esse foi o contexto para a literatura do modernismo caracterizada pelo rompimento com a arte academica, simbolismo e parnasianismo. Manuel Bandeira foi um dos representantes desse movimento literário.

Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
A alma é que estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
Não noutra alma.
Só em Deus - ou fora do mundo.

As almas são incomunicáveis.

Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.

Porque os corpos se entendem, mas as almas não.

(Manuel Bandeira)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não tenho ambições nem desejos.
Ser poeta não é uma ambição minha,
É minha maneira de estar sozinho.
(Fernando Pessoa)